https://www.worten.pt/informatica/gaming-pc/acessorios-para-computadores-gaming/teclado-gaming-razer-cynosa-chroma-preto-6486748

5 narrativas para acompanhar durante a Superliga Portugal

A poucos momentos do início da segunda temporada da Superliga organizada pela BITZER há perguntas que se levantam em torno de algumas equipas assim como quem será o próximo vencedor desta competição que conta com 18 jornadas em vez das 14 jogadas na primeira edição.

Para ajudar a perceber melhor alguns dos pontos de foco desta segunda temporada da Superliga que promete muito mais a nível de competição em relação à primeira, a equipa do Fraglíder decidiu destacar 5 histórias que poderão facilitar o acompanhamento de cada uma destas equipas selecionadas ao entrarem finalmente em competição com o foco centrado na Final Four.



Segunda temporada de Supremacia dos Tubarões? 


Sem grandes cerimónias os YNG Sharks venceram a primeira temporada da Superliga BITZER com registos impressionantes, no entanto o fim do ano de 2017 e o início de 2018 não está a ser o melhor. Os tubarões perderam dois jogadores de peso por motivos pessoais, Denner "KHTEX" Barchfield e Wesley "GW" Vinícius e necessitaram de encontrar soluções para colmatar ambas as vagas que surgiram.



Sharks têm um grande desafio pela frente para conseguir vencer a competição pela segunda vez.

O projecto nacional que trouxe de forma permanente um quinteto Brasileiro para competir na nossa scene com nomes importantes como Renato "nak" Nakano viu em Jonathan "jnt" Silva e no jovem Brasileiro Rodrigo "RCF" Figueiredo as peças ideais para regressar do Brasil e voltar à ordem de trabalhos, treinando para uma nova temporada.

Com uma Superliga que nada tem a haver com a primeira realizada a nível de equipas e de competitividade, a equipa dos YNG Sharks terá de treinar para recuperar o tempo perdido e tentar obter bons resultados logo desde início contra uma concorrência mais apertada. Longe das 14 vitórias em 14 jornadas, conseguirão os YNG Sharks continuar a dominar a Superliga?



OFFSET no assalto ao título? 


Depois do demantelamento da equipa dos Alientech - equipa que dominou de forma incontestável os últimos 6 meses da scene nacional - sobraram apenas Ricardo "zlynx" Matos e Tiago "JUST" Moura que permaneceram em Portugal e rapidamente puseram mãos à obra para montar um lineup competitivo que lhes permitisse lutar pelo estatuto que possuíam. A eles juntaram-se os ex-Hexagone Rui "rizzz" Lima, Renato "stadodo" Gonçalves e Paulo "pr" Silva que acabariam por chegar a acordo com a  organização dos OFFSET como nova casa a representar.



Conseguirão JUST e Zlynx continuar com a maré de bons resultados?


Para Tiago "JUST" Moura e Ricardo "zlynx" Matos estar na Superliga BITZER é uma estreia uma vez que na temporada passada equipas como K1CK, Alientech entre outros decidiram boicotar a sua participação na liga, no entanto Rui "rizzz" Lima e Renato "stadodo" Gonçalves entram para esta segunda edição como vice-campeões e estarão certamente prontos para obter vingança e roubar o título que cabe aos Sharks defender.



Regresso de SCRM nos Electronik Generation


Competitivamente o ano para Vítor "SCRM" Vale teve uma paragem depois do qualificador fechado do ASUS ROG Masters PT onde representando os Electronik Generation não foi além do quarto lugar da competição. 

No entanto no início do ano de 2018 foi noticiado que SCRM estaria de volta à scene competitiva pelos Defining Stars, mas incompatibilidades que surgiram a nível de horários viram o jogador português ser confirmado pela última equipa que havia representado, os EGN.



Um dos melhores AWPers que Portugal já teve no CS:GO está decidido a voltar à competição.


Conhecido pelas suas capacidades com a AWP, Vítor "SCRM" Vale tem o seu nome marcado na história do Counter-Strike: Global Offensive nacional dos tempos em que integrava a equipa dos Alientech, onde viveu os seus anos dourados competitivamente. Os Alientech de 2013-2014 foram a primeira equipa a aparecer e a conseguir contestar o reinado dos K1CK de Ricardo "fox" Pacheco, tendo inclusivé representado as cores nacionais na ESWC 2014. Uma das últimas conquistas do jogador português ocorreu na DreamHack Valência 2016, onde derrotaram na final os BeGenius.

Numa equipa balanceada que conta com jogadores como Fábio "BuJ" Ferreira e Carlos "xAims" Marques, conseguirá Vítor "SCRM" Vale retornar ao seu melhor nível do passado e ajudar os Electronik Generation a sonhar com voos mais altos?



Hexagone com ambições renovadas e caras novas


Removendo os Alientech da equação os Hexagone foram a equipa portuguesa que mais se destacou no final do ano de 2017 com segundos lugares em provas offline como Moche TPGO, primeira temporada da Superliga BITZER e MOCHE LPGO. Apesar de finalista vencido nas últimas três provas realizadas a nível nacional aos quais se junta a grande prestação desenvolvida no Bilbao Esports Tournament, a equipa acabou por ver o seu core desfeito - muito por culpa também da separação dos Team Alientech - e viu Renato "renatoohaxx" Gonçalves ser o único sobrevivente no roster competitivo dos Hexagone.



renatoohaxx ajudou os Hexagone a chegar ao top nacional em 2017; conseguirá a equipa manter a posição?


Numa altura em que se especulava que 2018 seria o ano dos Hexagone com o lineup anterior, as adversidades viram Renato "renatoohaxx" Gonçalves montar um novo lineup competitivo que contava ao início com Manuel "Born" Valente, que entretanto teve de abandonar em detrimento de outros compromissos. O novo roster dos Hexagone possui jogadores com qualidade e experiência na scene nacional, restando no entanto ver se os jogadores conseguirão trabalhar todos juntos e manter o nível a que os Hexagone se encontravam na temporada anterior.

As entradas de Rui "SHOUW" Reis, Rúben "derps" Barbosa, Marcelo "tiskeN" Ferreira e João "w0rms" Cerdeira serão suficientes para Renato "renatoohaxx" Gonçalves ambicionar a luta pelo top 1? Por agora, os Hexagone serão um dos candidatos a um lugar na Final Four da segunda temporada da Superliga.



Trará million a experiência necessária aos Team HD?


Se os Hexagone foram a melhor equipa Portuguesa no final do ano atrás dos Alientech, também os Panthers não ficaram muito atrás e foram muito provavelmente a equipa que mais cresceu em relação ao seu ponto de partida, de uma equipa recém formada com jogadores menos conhecidos da comunidade a boas prestações lá fora e a dar boas lutas aos Hexagone pelo acesso à final da TPGO.

Os Team HD marcaram o seu ingresso na scene nacional de Counter-Strike: Global Offensive ao assegurar os serviços desta equipa que revelava bons índices de crescimento, e até agora a equipa cumpriu com os seus objectivos iniciais, assegurando presença na Superliga organizada pela BITZER ainda que no segundo qualificador, tendo ficado pela ronda de 16 no primeiro qualificador.

 

million regressa a Portugal para competir com o núcleo da equipa que mais cresceu em 2017.


Com algumas arrestas para limar e experiência para adquirir, a equipa dos Team HD assegurou um reforço de excelência no ataque a este ano de 2018, aquele que será o primeiro para a organização dos Team HD. Pedro "million" Teixeira decidiu regressar da sua primeira aventura internacional nos gBots para trazer à equipa de João "krush" Abraão a experiência necessária para dar o próximo passo. Conseguirá million obter o impacto necessário para aprimorar os Team HD e torná-los numa ameaça séria ao lugar de melhor equipa nacional?







2360