tarik: "Forçar jogadores em ambientes com os quais não estão familiares vai tornar as coisas mais difíceis para todos"

No Media Day do BLAST Pro Series Lisboa, o nosso portal esteve presente e em contacto com vários jogadores das seis equipas que estarão a partir de amanhã a competir por uma fatia dos $250,000 de prizepool bem como o título de campeão daquele que é o último evento Tier 1 de 2018. À conversa com Tarik "tarik" Celik, o Fraglíder questionou o jogador sobre a sua preparação para o evento enquanto equipa, o reinado dos Astralis, os 5 meses de MIBR a nível de objetivos bem como previsões para a scene competitiva no início de 2019. Esta é a primeira entrevista de seis realizadas a jogadores no dia de hoje e que irão sair no nosso portal entre hoje e amanhã, por isso mantém-te atento às nossas redes sociais bem como site.



"Forçar jogadores em ambientes com os quais não estão familiares vai tornar as coisas mais difíceis para todos." (Foto por Hltv.org)


Fraglíder: tarik, juntaste-te aos MIBR durante o mês de Julho. No vosso primeiro torneio na ELEAGUE Premier, vocês alcançam um sexto lugar e pouco depois alcançam a vossa primeira vitória na ZOTAC Cup Masters. Olhando ao vosso historial, os Astralis e os Team Liquid aparecem como os maiores rivais e obstáculos que vos separam dos vossos objetivos, barrando várias vezes a vossa equipa em meias finais. Na tua opinião, de que necessita a vossa equipa para conseguir superar ambas?

tarik: Em relação aos Astralis, acho que foram sempre os pequenos pormenores que acabaram a fazer a diferença no jogo. Se olharem para os nossos últimos resultados contra eles, é sempre a questão de 1 ou 2 rondas que poderiam virar o jogo em nosso favor e resultar na vitória final nesse determinado torneio. Nós temos boas noções de como jogar contra os Astralis, no entanto os Team Liquid tem sido mais complicado porque são uma equipa que reage muito rapidamente e que tem uma agressão que é, por vezes, difícil de parar. Ao jogar contra os Team Liquid, nós precisamos de pensar e encontrar soluções melhores enquanto que contra os Astralis, acho que estamos realmente perto de atravessar essa linha e conseguir vencer diante deles.

Fraglíder: Quando dois Norte Americanos juntaram-se aos MIBR, várias questões surgiram em torno da comunicação da equipa. Comparando o nível atual com uma equipa nacional, acreditas que as equipas internacionais possuem um handicap quando enfrentam uma equipa da mesma nacionalidade?

tarik: Sim, é certo que estamos em desvantagem uma vez que o Inglês não é a língua nativa da maioria da nossa equipa, forçar jogadores em ambientes com os quais não estão familiares vai tornar as coisas mais difícil para todos. Até podemos estar todos a comunicar num Inglês perfeito - para mim, é a língua principal e portanto não tenho problemas mas para alguém que não a tenha como nativa podem-se gerar delays na passagem dessa informação ou não perceber tão bem uma call. Isso é claramente um problema que até tivemos no início, mas contínuamos a tentar fazer todos os possíveis para que não seja essa a razão pela qual perdemos jogos. Nos tempos recentes, evoluímos bastante nesse aspeto com muito trabalho.

 

"Sem dúvida que o público irá desempenhar um papel importante para que possamos chegar até a final."


Fraglíder: Dias antes do teu anúncio na equipa dos MIBR, o core desta equipa enquanto SK Gaming viajou para Portugal e venceu o Moche XL Esports, sendo uma das equipas favoritas do público nessa altura. Quando as portas da Arena se abrirem no Sábado, achas que os MIBR serão a equipa que atrairá o maior apoio do público?

tarik: A minha equipa falou-me sobre esse evento quando vieram jogar a Portugal e o incrível que foi, portanto eu acredito mesmo a 100% que toda a gente na Arena estará a apoiar-nos. Esse será um dos fatores decisivos necessários para que possamos ganhar este torneio porque vamos estar a jogar com o Brax "swag" Pierce devido aos problemas de saúde pessoais do Fernando "fer" Alvarenga. Sem dúvida que o público irá desempenhar um papel importante para que possamos chegar até a final.

Fraglíder: Com o Swag a ocupar a posição deixada de vago pelo fer, como se desenrolou a preparação para este evento? Com o pouco tempo que tiveram, em que apostaram? Criar uma base de comunicação com o swag ou talvez preparar algo mais tático?

tarik: Nós só tivemos dois dias para treinar com o Brax, mas existe algo a nosso favor uma vez que 4 dos nossos 5 jogos da fase de grupos serão disputados no de_mirage, permitindo-nos focar apenas num mapa. Relativamente ao swag, vamos tentar colocá-lo a desempenhar a role que era do fer mas também lhe queremos dar liberdade para jogar como gosta e não sentir que está preso a um estilo. Espero que estes dois dias de treino sejam suficientes para que possamos causar danos neste evento.

 

"Pessoalmente, eu desejo que sejamos nós a derrubá-los porque já chega de Astralis." (Foto por Hltv.org)


Fraglíder: Alguma vez pensaram no swag como um trunfo? Uma vez que não será tão fácil para as outras equipas fazer antistrats contra vocês devido a um estilo de jogo modificado com a sua inclusão?

tarik: Temos definitivamente outro fator chave no Brax e a sua entrada na nossa equipa, trará um estilo diferente ao nosso jogo. Provavelmente podemos tornar-nos numa equipa mais rápida, provavelmente numa equipa mais lenta, tudo vai depender da adaptação natural e ver como se desenrolam os jogos. As outras equipas não vão conseguir fazer antistrats contra nós tão facílmente uma vez que esta entrada deixa a equipa mais imprevisível.

Fraglíder: Este é o último evento do circuito internacional juntamente com o PLG Grand Slam que está a decorrer em Abu Dhabi. Em jeito de previsão, como vês a scene competitiva ao mais alto nível na entrada para 2019? Vês os Astralis a continuar a sua era ou achas que um Wild Card pode aparecer e retirar a coroa aos dinamarqueses?

tarik: Eventualmente irá acontecer, é tudo uma questão de tempo. Todas as eras no passado foram quebradas por uma equipa e todas elas estão atualmente com desejos de terminar com a atual dos Astralis, é o seu objetivo. Eles já ganharam demasiado e é apenas uma questão de ver quem irá alcançar esse feito - o próximo ano será muito mais competitivo, temos muitas mais equipas em crescimento constante e sem dúvida que será muito difícil para os Astralis manterem-se no lugar #1. Pessoalmente, eu desejo que sejamos nós a derrubá-los porque já chega de Astralis.
 


"A minha equipa disse-me que da última vez que aqui estiveram, receberam bastante apoio vosso e portanto eu espero que a situação se mantenha! Estou desejoso de vos ver a todos na Arena."


Fraglíder: A vossa equipa não é a única a apresentar-se com mudanças já que os Cloud9 estão com Ismail "refrezh" Ali no lugar de Mikail "Golden" Selim que foi forçado a ausentar-se por motivos de saúde. Uma vez que são a tua ex-equipa, o que esperas dos Cloud9 neste evento, especialmente agora que são considerados uma equipa europeia?

tarik: Eles estão numa situação semelhante... bem, talvez nem tanto mas eu acho que eles vão dar o seu máximo e tentar colocar o refrezh nas posições em que ele se sente comfortável, dando-lhe instruções sobre como jogam e aquilo que gostam de fazer no servidor. Nunca é fácil jogar com um "ringer" porque é um elemento que está a ser introduzido na tua equipa e que não sabe como o sistema interno funciona, vai ser muito difícil para ambas as equipas mas vamos dar o nosso melhor e certamente que os Cloud9 também para tentar fazer o melhor de uma má situação.

Fraglíder: Algumas palavras finais que queiras deixar para o público que se vai deslocar aqui no Sábado para ver a BLAST ao vivo?

tarik: Eu mal posso esperar para jogar aqui, nós temos muitos fãs em Portugal - a minha equipa disse-me que da última vez que aqui estiveram, receberam bastante apoio vosso e portanto eu espero que a situação se mantenha! Estou desejoso de vos ver a todos na Arena.

Fraglíder: Obrigado tarik por esta entrevista, boa sorte para ti e para a tua equipa na BLAST Pro Series Lisboa.


Foto de capa propriedade da HLTV.org




 
Topo