Fotografia: PGL

O atleta dinamarquês da GamerLegion, Frederik “acoR” Gyldstrand concedeu uma entrevista à Jaxon, onde abordou o percurso da sua equipa até ao momento.

O jogador começou a entrevista por falar do tempo em que representou a MOUZ, onde esteve abaixo das expetativas da comunidade e da excelente performance que está a ter no RMR até ao momento. “Eu quero mostrar às pessoas que o tempo que estive na MOUZ não era o verdadeiro acoR a jogar. Contudo, mão vou dizer que provei algo e que as pessoas estavam erradas, ainda é muito cedo, embora eu tenha estado a um bom nível neste torneio, o meu primeiro em LAN desde a IEM Winter 2021.” atirou o dinamarquês.

acoR considera que o seu tempo no banco da MOUZ, onde esteve dois meses sem jogar CS:GO lhe fez bem e aprender muita coisa. “Percebi que tenho que ser muito mais egoísta em muitas situações. Sempre fui uma espécie de ‘jogador de suporte’ e isso não se encaixa bem no papel do AWP, onde adaptação, rotações e leitura do jogo são cruciais para ser um dos melhores AWPers. Eu antes só seguia o que os meus companheiros de equipa queriam, como um robot e não dizia os meus pensamentos. O ano na MOUZ é algo do qual não me orgulho, apesar de nos termos conseguido qualificador e disputar eventos importantes.” afirmou.

A GamerLegion tem tido jogos bastante renhidos, com derrotas frente a FaZe e Spirit, por 25-28 e 22-20, respetivamente. O AWPer considera que falta alguma experiência à equipa para conseguir ganhar estes jogos mais disputados.

“A confiança que eu estou a receber do siuhy e dos outros rapazes deixa-me muito confortável na equipa. Se eu quiser fazer uma jogada específica, o siuhy é muito rápido a se adaptar e a montar um plano à volta daquilo que eu vou fazer. Isso torna tudo muito mais fácil” disse acoR sobre o papel do In-Game Leader polaco, Kamil “siuhy” Szkaradek na equipa. O jogador de 25 anos foi mais além nos elogios ao seu IGL: “Ter a confiança e inteligência para estruturar uma equipa como ele faz é impressionante para um jogador tão jovem como ele. Individualmente, diria que ele é o melhor com quem já joguei. Se ele continuar a melhorar tão rápido como fez até agora, pode ser um dos melhores IGLs no futuro próximo.

Quando questionado o que precisava a GamerLegion de fazer para vencer a G2, acoR respondeu: “Precisamos de tirar o máximo que pudermos dos nosso últimos 3 jogos. Os jogos que disputámos são realmente valiosos em termos de erros que podemos assistir e aprender, tanto no coletivo como no individual. Precisamos de fazer o nosso jogo e corrigir o maior número de erros antes do duelo contra a G2. Acho que este é um jogo onde podemos surpreender.

A GamerLegion vai defrontar a G2 esta sexta-feira pelas 17h00, num jogo onde o derrotado irá ser eliminado do torneio.