Ricardo “fox” Pacheco concedeu uma entrevista à RTP Arena, na rubrica Beyond The Legend, de Ricardo “zorlaK” Sousa. Por lá, abordou várias questões: desde os projetos pelos quais passou até às suas ambições para o futuro.

O experiente jogador português – que recentemente viu a Fourteen reduzida a dois elementos – começou por falar dessa mesma equipa e, apesar de concordar que não foi uma season tão bem conseguida, lembrou que pequenos detalhes poderiam ter feito a diferença. Fox recordou momentos fatais da temporada, como “uma vantagem que não se pode deixar fugir” contra a SAW na MLP, que retirou a XIV da final four, ou uma ronda no 15-14 contra a FTW em que perdem um 5vs2.

As diferenças entre a “velha escola” e a “nova escola” foram também um assunto de grande destaque nesta entrevista, com o jogador a deixar algumas observações aos jogadores mais jovens. Apesar da qualidade desses jogadores, fox considera que lhes faltam outras características, como a compreensão de críticas, para que se possam tornar profissionais de alto nível. O jogador que, como todos sabem, conta com passagens por algumas das mais emblemáticas organizações de CS:GO, lembra o seu percurso e as dificuldades que se viu obrigado a enfrentar para atingir o topo, nomeadamente a barreira linguística quando abraçou pela primeira vez um projeto internacional.

Na sua opinião, “não é fácil criar equipas em Portugal com a mentalidade instalada no país”, referindo ainda que, se tivesse os recursos necessários, conseguiria alcançar maiores objetivos “se tivesse um stadodo ou um JUST” e até “fazer melhor ou igual [à SAW]”.Fox acredita que tem uma boa capacidade de liderança, mas que é difícil ser líder de uma equipa de “miúdos”, uma vez que estes jovens não dão ouvidos à sua experiência, dando também conta de que o dinheiro já não é a sua motivação para continuar a jogar, mas sim “o gosto especial pelo jogo, a competição, as lans e o público”.

O ambiente vivido dentro dos servidores nos seus últimos projetos foi merecedor de destaque por parte de fox, que revelou que, por exemplo, quando decidiu há cerca de um ano colocar uma pausa na sua carreira profissional, existiu também a influência dos outros jogadores da equipa que alegadamente não queriam jogar com ele, culminando na sua saída. Neste seguimento, o veterano deixou rasgados elogios ao ex-companheiro de equipa Bruno “shellzi” Teixeira, dizendo que foi dos jogadores com quem mais gostou de jogar e que se existir possibilidade voltará a jogar. 

Já na parte final da entrevista, surge a declaração mais surpreendente de fox. Ricardo Pacheco revelou que recebeu uma proposta para um projeto internacional onde jogaria ao lado de alguns dos melhores jogadores do mundo, inclusive que um deles disputou uma final há bem pouco tempo. A identidade dos jogadores e do projeto não foi divulgada, mas o jogador disse que mais tarde talvez pudesse falar desse assunto.

Por agora, o AWPer português vai desfrutar das suas férias ao lado da família e amigos, mas com a certeza de que ainda tem muito para dar ao cenário competitivo do CS.