Fotografia: SAW

O sonho da presença no IEM Rio Major 2022 terminou esta sexta-feira para a SAW, que foi derrotada pela HEET em três mapas e afastada do IEM Road to Rio 2022. Após o desaire, Christopher “MUTiRiS” Fernandes prestou algumas declarações à RTP Arena sobre o encontro e a passagem por Malta.

Na análise ao confronto perante os franceses, o capitão e IGL da equipa portuguesa reconheceu que “aquele full eco [ganho pelo adversário] mudou um bocadinho” em Vertigo, mas “não perdes o mapa aí”. “Cometemos certos erros que se calhar não são normais. As derrotas dos outros dois jogos pesaram na confiança e fica a sensação de que podíamos ter ganho o Vertigo”, disse.

“O pick deles, Inferno, estávamos confortáveis e dominámos. O Dust2 acho que começámos com o pé no acelerador, mas chegou a uma altura em que houve hesitações e perdemos rondas. Depois, um erro aqui e outro ali, eles também jogam e anularam-nos bem em algumas situações. No CT, sem pistol não conseguimos fazer muito. Não estivemos muito bem no Dust2″, concluiu o jogador português sobre a partida.

A passagem por Malta acabou por ser bem diferente do que a SAW esperava, mas MUTiRiS garantiu que “todos deram tudo para estar na melhor forma possível”. “Não posso atirar nada à cara, porque sei que todos dedicaram as horas. Tivemos poucas folgas para encararmos este torneio da melhor maneira”, afirmou.

No entanto, a estreia perante Heroic teve o seu peso na restante prova. “Chegas aqui e, supostamente o teu melhor mapa… tudo bem que era Heroic, mas a derrota desmonta-te. Foste completamente outplayed e eu, como IGL e olhando para trás, mudaria muita coisa na abordagem”, começou por dizer.

“É complicado quando fazes um primeiro side tão mau e já estás com a corda no pescoço na segunda parte. É normal isto acontecer. Como jogamos tão mal nesses T sides, é muito difícil recuperar se não engatas logo a CT. As coisas positivas que tiro são a experiência. Não queria fugir à nossa essência de jogo, mas por vezes tens que o fazer, porque as equipas vão estudar-te. Como IGL, foi mais isso que aprendi, que levamos outplay em muitas situações”, acrescentou sobre a experiência que tira desta prova.

A presença em Malta foi também uma estreia para João “story” Vieira e Michel “ewjerkz” Magalhães, que nunca tinham jogado um torneio de acesso a um Major. Questionado sobre a inexperiência da dupla nestas andanças, MUTiRiS desvalorizou: “Eles estiveram bem em muita coisa. No fundo, nós como equipa é que não funcionou. Tu podes estar com a maior confiança do Mundo, mas se as coisas que fazes normalmente não estão a resultar, não há aim que te safe. Eu, como IGL, tento ao máximo colocar o pessoal confortável e a partir daí jogar, mas a verdade é que em dois mapas não jogámos”.

No final de contas, “o que já está, já está e não há nada a fazer”. “É difícil alguém estar contente ou dizer algo positivo neste momento. Estamos desiludidos. Não porque íamos passar ou algo do género, mas porque sais daqui com a sensação de que somos muito melhores que isto e não conseguimos mostrar. Agora é um reset mental, descansar. Com os treinos, com os torneios, eu sei que vamos trabalhar no que achamos que falhámos. Vamos ter que esquecer este torneio e não vão faltar torneios em que hoje choramos e estamos desiludidos e, se calhar, daqui a uns meses estamos a celebrar”, acrescentou o capitão de equipa.

A terminar, numa mensagem que acabou também por ser direcionada aos companheiros, MUTiRiS deu o mote: desistir está fora dos planos. “Eu sei que tenho uma equipa muito dedicada e, apesar de neste momento estarem todos desiludidos e nem quererem ver CS à frente, num par de dias isto vai ter que mudar e vai mudar. O que posso dizer, se calhar mais para eles, é que aceitem a derrota, que agora já não há nada a fazer. Se não queremos passar pelo mesmo, não é a lamentar. Vamos ter que trabalhar ainda mais e, se calhar, quando tivermos a próxima oportunidade vamos dar uma melhor cara. Se não der na próxima, vamos em outro torneio. Não podemos desistir e vai ser essa a mentalidade da equipa”, concluiu.

Fotografia: SAW