A Byteway entrou recentemente no CS:GO com a contratação do lineup dos UnDeRdOgS, que se apurou para a décima temporada da Master League Portugal. Antes da estreia, o FRAGlíder conversou com David “P3R3IIRA” Oliveira, um dos jogadores mais experientes da equipa, sobre o projeto e os objetivos para a segunda metade do ano.

Lê a entrevista na íntegra:

 

FRAGlíder: Quais são os objetivos da Byteway para a MLP?

P3R3IIRA: Acima de tudo, nós somos jogadores novos e não temos muita experiência. Três de nós vão jogar pela primeira vez na MLP. Os nossos objetivos é ir jogo a jogo, tentando corrigir erros de jogo para jogo, porque não temos assim tanto tempo de treino e em oito equipas da MLP, nós somos os únicos que éramos mix e passámos agora a equipa. Estamos a treinar agora e, mesmo assim, temos um tempo reduzido de treino.

Não estipulámos objetivos. O nosso objetivo é ir jogo a jogo, ver o que dá para fazer. O primeiro jogo é contra os SAW e claramente é um jogo muito complicado. Vamos ver o que conseguimos fazer e tirar proveito do jogo, nem que seja para corrigir erros e tentar melhorar para os próximos. Vamos ver como corre.

Como é que surgiu esta equipa?

Eu e o SYDOX já jogamos juntos há algum tempo. O HS convidou-nos para ir jogar uma LAN no Porto e, depois da LAN, falámos e já tinham sido anunciados os qualificadores da MLP. Então, organizamos tudo e fomos jogar os qualificadores da MLP. Adicionámos o ra1se e o krazy, que o HS já conhecia. Antes de irmos ao qualificador aberto, fizemos três ou quatro treinos só para não irmos do zero. Depois de passarmos para o fechado, treinámos e tivemos a felicidade de passar para a MLP, visto que esta temporada também abriu mais lugares. É uma oportunidade de jogar a melhor liga portuguesa.

E a Byteway entra nisto tudo em que ponto? Como é que tudo se deu? Vocês iam continuar a jogar juntos se não tivessem uma organização?

Nós metemos um tweet, porque precisamos de jogar por uma organização, para ficarmos como entidade. Recebemos algumas propostas e a Byteway disponibilizou-se a dar as melhores condições que eu acho que devemos ter. Eles disponibilizaram-se e facilitaram muito o processo. Foram diretos connosco, explicaram logo tudo e foram rápidos. Falaram connosco, deram-nos tempo para decidir, não nos colocaram pressão. Se não tivéssemos a Byteway, teríamos que arranjar nem que fosse uma empresa, porque o lugar não pode ficar no nome de uma mix e temos de ter uma marca registada.

Isto é então uma coisa para ficar?

Vamos jogar a MLP e o resto dos torneios. Nesta temporada vamos jogar como equipa.

E se não surgisse a Byteway, como seria? Já disseste que tinham de arranjar uma marca, mas como é que seria em termos de equipa? Havia um compromisso para esperar algum tempo e depois seguir caminhos separados ou havia o compromisso de ficar sempre juntos?

Íamos continuar a jogar juntos. Já tínhamos estabelecido que, esta temporada, íamos jogar todos juntos. Visto que passámos para a MLP, faz todo o sentido, e mesmo para jogar torneios como a Retake ou a DreamLeague. Faz todo o sentido jogarmos juntos. Como temos o tempo de treino reduzido, aproveitamos também os oficiais para praticarmos todos juntos num contexto mais sério.

Como é que estamos exatamente de tempo? Foste dizendo que é reduzido, mas como está a vossa rotina?

Como o HS trabalha e outros estudam, começamos a treinar por volta das 17h. Das 17h às 18h damos um treino tático ou corrigimos erros, das 18h às 20h fazemos duas pracc e das 21h às 22h vamos ver o que fizemos de mal nas praccs. Não temos uma rotina normal das 14h às 20h como a maioria das equipas da MLP e temos de aproveitar o tempo da melhor maneira. Não pode ser só praticar, também temos de corrigir e estar no servidor. Acho que só jogar praccs não é o plano ideal. É essencial ir ao servidor e corrigir os erros.

Estiveste recentemente no projeto da Red Bull. Como é que foi a experiência?

Acho que foi um projeto muito bom. Estivemos cinco dias em bootcamp e as condições foram excelentes, é preciso agradecer à Red Bull e ao fox. O que passámos lá, pouca gente em Portugal se calhar terá a oportunidade de experimentar o que nós experimentámos, o dia a dia de um profissional. Ter o fox por detrás também ajuda, porque é alguém que está no cenário há muito tempo e tem muita experiência. Os nossos dias lá foram muito produtivos. Jogámos a Retake, chegámos ao qualificador fechado e não passámos para o Take. Mas, em princípio, devemos jogar os takes todos juntos, que era o que estava estipulado.

 

A estreia da Byteway na MLP acontece esta segunda-feira. A equipa mede forças com a SAW no arranque do grupo B.