Num comunicado publicado esta sexta-feira, a ESIC (Esports Integrity Comission) deu a conhecer a nova fórmula para bans que aplicou a treinadores em tempos recentes. A resposta surge no seguimento de recursos avançados por Alessandro “Apoka” Marcucci e Nicholas “guerri” Nogueira.

Por lá, é possível ler que a comissão alterou a fórmula de modo a que o cálculo das punições não prejudicasse os envolvidos. Aliás, a decisão vem depois de as sanções da Valve terem “distorcido o efeito pretendido das sanções da ESIC, de tal forma que já não eram proporcionais no âmbito do resultado pretendido pela comissão quando foram aplicadas.”

A nova fórmula, que pode ser encontrada no comunicado oficial, faz com que Apoka passe a ter apenas 1.2 pontos de demérito e não 8, o que significa que o brasileiro poderia voltar a um Major, ao contrário da impossibilidade que tem hoje de participar em torneios da Valve. No caso de guerri, a pontuação de demérito passa para 2 pontos, o que significa que o nome da FURIA poderia já voltar a um Major, dado que já cumpriu pena nos dois anteriores.

No entanto, diz a ESIC, a resposta inicial da Valve “indica que [a empresa] não vai fazer nenhum ajuste.” Apesar de ser uma matéria que diz respeito à produtora do CS:GO, “a ESIC pediu à Valve para reconsiderar esta posição.”

Se a Valve não reconsiderar, Apoka continuará banido de participar em Majors de forma permanente. No caso de guerri, este só poderá regressar a estas competições em 2024.

Podes recordar aqui a lista das dezenas de treinadores que foram visados pela ESIC pelo uso de coach bug.