Review: Razer Huntsman

Durante o mês de Fevereiro, através da parceira Razer, o Fraglíder teve acesso a um dos mais recentes teclados da marca, o Razer Huntsman. Desde então que temos estado a testar o teclado ao máximo, de forma a conseguirmos dar-vos uma opinião sobre o mesmo.
 
 
Para começar é importante transmitir-vos a novidade que este teclado apresenta relativamente aos restantes da marca. Apesar de ser uma tecnologia que já está presente no mercado há alguns anos, o Razer Huntsman apresenta uns switches opto-mecânicos. Não querendo aprofundar os detalhes técnicos, basicamente o switch é composto por um feixe de luz que é continuamente interrompido até ao momento em que a tecla é pressionada e esse mesmo feixe de luz atinge o sensor.
 
Assim, estes switches apresentam como grande vantagem o aumento da durabilidade já que o estes não são desgastados quando a tecla é pressionada, tal como acontece com os teclados mecânicos tradicionais. Associado a este switch, e tal como é visível na animação, a Razer introduziu uma pequena plataforma de forma a garantir estabilidade aquando do click para que este seja uniforme em qualquer parte da tecla.
 
Animação sobre o funcionamento de um switch opto-mecânico (Fonte: razer.com)
 
Este Razer Huntsman apresenta dimensões relativamente pequenas, visto não apresentar teclas dedicadas à gravação de macros, nem teclas adicionais para media. Para além disso, o espaçamento entre as secções do teclado é bastante curto, não tendo sequer a largura de um dedo, o que ajuda na dimensão reduzida.

O facto de não haver teclas dedicadas à gravação de macros introduz outra novidade da Razer para este produto. Assim, para além de ser possível gravar todas as configurações do teclado (macros, alteração de teclas) na cloud através do Razer Synapse, este Huntsman tem incorporado um sistema de memória para guardar até 5 perfis de configuração.
 

Este produto conta com um "irmão gémeo", Razer Huntsman Elite. A nível de especificações técnicas são iguais, pelo que as diferenças são:
  • Suporte para os pulsos, cujo encaixe é magnético e com borda RGB;
  • Teclas dedicadas para media.

Conclusão

Atendendo à minha experiência como utilizador, o facto de ter sido a primeira vez que tive um contacto regular com um teclado mecânico faz com que tenha sentido grande diferença nos primeiros momentos de utilização. Portanto, não ter nenhum teclado mecânico tradicional invalidou que fizesse a comparação dos tempos de resposta entre os switches, visto que esta tecnologia apresenta valores mais rápidos, em teoria.

Ainda assim, algo que é perceptível é a pouca força necessária para que o click seja registado. Como jogador casual de CS:GO esta situação é algo desconfortável, principalmente quando há a necessidade de ajustar a mira por espaços mais estreitos.

O barulho dos switches é outro aspeto que me deixou desiludido com este teclado. Ao fim de algum tempo de utilização sem headphones, o barulho pode-se tornar incomodativo.

No entanto, nem tudo é mau. Esteticamente, é um teclado bem desenhado e relativamente pequeno, atendendo a que tem o numpad. Para terem um noção, entre cada secção do teclado não cabe um dedo mínimo sem pressionar teclas. Para além disso, o facto de não ser necessário pressionar as teclas com demasiada força, faz com que o teclado tenha bastante precisão no click.

Classificação: 6/10




 
Topo