Fotografia: Twitch

Em meados de dezembro, a Twitch passou a permitir a criação de conteúdo relacionado com nudez artística. Ora, dias depois do lançamento, a plataforma reverteu a política, e admitiu que foi “longe demais com a mudança”.

De certo é que, após a última atualização, vários streamers tentaram contornar as regras da plataforma, e começaram a utilizar a nudez de forma implícita. Desde então, streamers apareciam nas transmissões sem qualquer roupa e escondiam as partes íntimas através de objetos e barras de censura. Com naturalidade, a Twitch voltou a posicionar-se e, esta quarta-feira (3), proibiu, de vez, situações semelhantes.

No comunicado emitido, a plataforma condena qualquer ato relacionado com a nudez, e implica aos streamers que estes cumpram requisitos de cobertura: “Não permitimos que os streamers insinuem ou sugiram que estão total ou parcialmente nus, incluindo, mas não se limitando a, cobrir os seios ou os genitais com objectos ou barras de censura”, começou por escrever a Twitch:

“Para as pessoas que se apresentam como mulheres, pedimos que cubram os mamilos e não exponham o busto [zona do peito]. O decote não está sujeito a restrições, desde que estes requisitos de cobertura sejam cumpridos e seja claro que o streamer está a usar roupa”.

Nas partes inferiores, a Twitch sublinhou que os streamers devem “cobrir a área que se estende das ancas até à parte inferior da pélvis e das nádegas”. Posto isto, a comunidade já começou a reagir e, em certa parte, concorda com a decisão da plataforma.

Leia também:

De recordar que, na época da última atualização, o CEO, Dan Clancy, salientou que seria a última alteração da plataforma relacionada com o conteúdo sexual.