Fotografia: Astralis

A formação feminina da organização dinamarquesa, Astralis, lançou um apelo à empresa-mãe do Counter-Strike. O quinteto da Astralis W acredita que a VALVe pode contribuir para a expansão do cenário feminino.

Esta quarta-feira, 28 de fevereiro, Josefine “josefine” Jensen, jovem atleta da equipa, recorreu às suas redes-sociais para divulgar uma carta aberta das cinco jogadoras. Com a igualdade como foco principal, a carta defende que a VALVe devia incutir mais agentes femininas no jogo, de forma a que haja “tanto agentes masculinos como femininos”.

Desta forma, o quinteto acredita que “mais mulheres iriam começar a jogar o fps” e que se iriam sentir mais à vontade no jogo. Este apelo da Astralis W escreve ainda que estas se sentem “apenas convidadas na festa”.

Após o comunicado, a comunidade começou a reagir, e o tema dividiu opiniões. Na generalidade, os fãs de Counter-Strike acreditam que a situação deve ser debatida, mas apontam que, de momento, há assuntos mais importantes a serem tratados no desenvolvimento do jogo.