Fotografia: HLTV/theMAKKU

A tensão entre Heroic e Astralis continua, e nenhuma das organizações dá o braço a torcer. Nesta quinta-feira (21), os novos membros da Astralis, Martin “stavn” Lund e Jakob “jabbi” Nygaard, explicaram a controversa saída da Heroic.

Através do Substack, o jornalista britânico, Richard Lewis, revelou uma conversa que teve com uma fonte próxima da Heroic. Entre os vários temas, tais como, a rivalidade inerente entre as duas organizações, o jornalista tentou perceber a forma como se desenrolaram os acontecimentos.

No comunicado emitido pelos dois atletas, o nome de Kasper Straube Hansen estabelece-se como um dos possíveis motivos para concretização da transferência. Kasper Straube Hansen, diretor desportivo da Astralis que pertencia à Heroic, tinha uma excelente relação com os atletas, principalmente com stavn.

A envolvência de Kasper Straube Hansen

Ora, tendo isto em conta, começaram a surgir questões, e especulou-se sobre a possibilidade da contratação do diretor desportivo estar relacionada com uma possível aquisição de atletas à Heroic. Em entrevista, a fonte segura de Richard Lewis, explicou a relação que Kasper Straube Hansen mantinha com ex-jogadores: “Não posso dizer com certeza se a Astralis o contratou  com a intenção de ter os jogadores, mas ele certamente os recomendou depois de lá chegar. Ele tinha uma forte ligação com os jogadores, especialmente com stavn. Ele tinha passado por muito na sua vida pessoal, não só a jogar, e Kasper tinha-o ajudado muito com a sua saúde mental. Tenho quase 100% de certeza de que, assim que o Kasper saísse, o stavn iria sempre tentar segui-lo. Foi isso que deu início a toda a confusão”, começou por dizer, antes de acrescentar a forte influência da Astralis no cenário: “Quer dizer, é a Astralis. Se formos dinamarqueses e eles nos chamarem, não dizemos que não“, rematou.

Segundo stavn, a fórmula de trabalho na formação de Heroic estava longe de ir ao encontro daquela praticada inicialmente. O rifler estava contra os métodos do IGL, Casper “cadiaN” Møller, e o problema escalou desde então.

Eu ou cadiaN?

No artigo de Richard Lewis, este explica que as tensões na organização começaram depois da saída de Kasper Straube Hansen, visto que, a partir daquele momento, cadiaN ganhou “demasiado poder” na organização. Se, no passado, era o diretor desportivo quem estabelecia a ligação entre jogadores e diretoria, depois da sua saída, passou a ser o In-Game-Leader.

Desse modo, os atletas reagiram, e a fonte próxima da Heroic indicou que o ex-diretor da organização poderá ter chegado certas informações à Astralis. Assim, a histórica rival da Heroic tinha a oportunidade de aproveitar os descontentamentos gerados.

Na publicação, stavn divulgou que as conversações com a Astralis nunca foram avante enquanto este ainda se encontrava contratualizado com a Heroic. Segundo a fonte segura, o dinamarquês terá ocultado certas informações no comunicado, sendo que não deixou explícito o ultimato que lançou à HeroicEu ou cadiaN?.

“stavn não queria continuar a jogar com Cadian e estava a procurar ativamente do apoio dos outros. jabbi não precisou de ser persuadido, mas no início os outros não concordaram e queriam que todos resolvessem a situação. A organização fez quase duas semanas de conversações internas para tentar resolver a situação, argumentando que cadiaN devia ter a oportunidade de responder às suas críticas e ter a oportunidade de melhorar. Ambos deixaram claro que se recusavam a jogar com cadiaN de qualquer maneira e que Heroic deveria escolher entre eles”, salientou a fonte.

“stavn prometeu ser líder de AWP”

A saída de cadiaN do quinteto foi uma das maiores surpresas no mercado de transferências dos últimos três meses, inclusive para os responsáveis da Heroic. A fonte próxima da organização revelou que esta “não queria realmente despedir cadiaN”, mas que naquela altura era inevitável.

Para concluir a saída do IGL, os responsáveis da formação nórdica, tiveram garantidas dadas por stavn, mas acabaram por ser “atraiçoados” pelo jogador: “O Stavn tinha dito que faria tudo para que a organização funcionasse sem o cadiaN, prometendo até ser o líder da AWP, se necessário. Então o cadiaN é expulso e depois o stavn e o jabbi voltam atrás e dizem ‘na verdade, já não queremos fazer estas coisas e gostaríamos de nos juntar aos Astralis’. A Heroic ficou chateada e o resto da equipa também”.

Por fim, a fonte apontou que a organização estará incomocada com o desenrolar dos acontecimentos, e acredita que, noutras circustâncias, cadiaN ainda faria parte do quinteto: “Duvido que algum deles tivesse expulsado o cadiaN se soubesse que o jabbi e o stavn não iam ficar”, finalizou.

A “novela” entre as duas organizações já perdura desde a saída de cadiaN da formação noruguesa. De momento, nenhum dos três atletas está contratualizado com a Heroic, e seguem, respetivamente, em novos projetos junto de Astralis e Liquid.